Psychonauts in the Rhombus of Ruin review

Quem sou
Pau Monfort
@paumonfort
Autor e referências

Era 2005, quando aquele gênio da Tim Schafer, depois de ter fundado Double Fine, invadiu o mercado com Psychonauts, uma aventura de plataforma 3D que, embora não tivesse o sucesso esperado, conseguiu definir um gênero e toda a produção futura de Double Fine nos anos que viriam.
Psychonauts foi baseado em uma escola de plataforma que quase desapareceu hoje, que combinava uma jogabilidade nova e original com uma história bem presente e articulada, e ao se aproximar com um estilo leve e alegre conseguiu propor temas delicados como a denúncia do bullying, a aceitação de si e a normalidade de ser diferente. Foi essa mistura de elementos que fez os Psychonauts um título único muito amado por seus fãs, um vínculo que fez o amor com Schafer e Double Fine crescer cada vez mais.
Embora as esperanças de uma sequência fossem quase nulas, graças a Kickstarter (que já havia ajudado a software house californiana na época de Broken Age) em 2018 o segundo capítulo das aventuras de Raz e seus colegas psiconautas vai estrear. Enquanto espera para viver uma nova e ótima história, Tim Schafer nos oferece uma experiência curta (mas intensa) para PlayStation VR, para nos fazer assumir o papel de Raz e experimente o que significa ser um psiconauta.
Disponível a partir de hoje, Psiconautas no Rhombus OF Ruin atuará como uma ponte entre os dois capítulos do jogo, nos contando sobre os eventos após o final do primeiro título. Vamos descobrir se esta nova aventura de Raz será capaz de lidar com o primeiro e inesquecível episódio, ao mesmo tempo em que sacia a "fome" por sua sequência.



Anteriormente em Psychonauts

Os psiconautas são agentes especiais, dotado de ainda mais poderes especiais. E Raz, o protagonista do jogo, é uma criança "simples" ansiosa por fazer parte dele. Depois de resolver o mistério do Camp de verão Whispering Rock Psychic, tendo despertado seus poderes e tendo entrado totalmente nos psiconautas, a paz parece nunca chegar. Apenas na última sequência que fechou o primeiro capítulo, o pai de Lili Zanotto (Namorada de Raz e grande líder dos Psyconautas), foi sequestrada por um "novo" inimigo, negando assim ao grupo de heróis a tão almejada tranquilidade. Raz, Lili e os outros agentes (incluindo Sasha e Milha, os dois conselheiros do acampamento e um redimido Treinador oleandro) sairá a bordo de seu jato em busca do pai de Lili, para resgatá-lo e trazê-lo de volta à base. O Rhombus OF Ruin começa a partir daí, com o grupo pronto para fazer um balanço da situação para localizar Truman Zanotto e retirá-lo de seu cativeiro.



Ao contrário dos psiconautas, este capítulo de intervalo tem uma abordagem diferente do original, necessariamente veiculado pela plataforma a que se destina: PlayStation VR. Precisamente em virtude disso, abandonaremos as realidades mentais psicodélicas que conhecemos em Psiconautas por uma solução que traz aventuras gráficas de apontar e clicar para o mundo da realidade virtual. Um mundo que Schafer e associados conhecem bem e sabem se adaptar a cada situação, com excelentes resultados tanto em termos de jogabilidade como de narrativa. Em 3 horas, levará para completar esta curta aventura Double Fine consegue montar uma história agradável, longe das complexidades narrativas do primeiro episódio, mas ao mesmo tempo habilmente embalado e dotado de um modelo de escrita fina e sagaz.

Psychonauts In The Rhombus OF Ruin está disponível em PlayStation Network exclusivamente no PlayStation VR, a um custo de 18,99 €. Para quem já encomendou a nova aventura de Raz, o preço inclui também o download de Psychonauts, na versão PS2 Classic, o que torna a compra mais digerível, especialmente em termos de duração do que na qualidade da aventura em si.
Embora os desenvolvedores garantam que você pode desfrutar totalmente do jogo, mesmo que não tenha jogado Psychonauts, a presença de personagens e a referência a eventos passados ​​permitem que você aprecie-o da melhor forma apenas se tiver concluído o título anterior.
Como psiconauta

Um dos maiores problemas quando se trata de jogos de RV é aquele relacionado ao movimento jogador no ambiente 3D. A escolha da aventura apontar e clicar como modelo de jogo é útil ao eliminar qualquer elemento de incômodo e, ao mesmo tempo, oferecer uma jogabilidade imediata e intuitiva. Aproveitando um dos poderes de Raz, clarividência, podemos "invadir" os corpos de pessoas ou animais ganhando assim seu "ponto de vista", que nos servirá para resolver os vários puzzles que nos serão propostos, permitindo-nos explorar o ambiente envolvente com o simples movimento da cabeça. No entanto, a clarividência não será o único poder em nossa posse: do capítulo anterior algumas das habilidades de Raz retornarão, como telecinesia e pirocinese, que nos permitirá mover objetos ou incendiá-los, e um poderoso feixe capaz de destruir alguns elementos do ambiente circundante. Combinando esses poderes (que não estarão disponíveis imediatamente, mas ligados ao desenvolvimento da história), teremos que trabalhar para encontrar uma solução para nossos problemas e ao mesmo tempo salvar Truman Zanotto, da base de submarinos em que ele é mantido prisioneiro.




Embora 3 horas passem rapidamente, Psychonauts In The Rhombus OF Ruin é um concentrado de eventos. A aventura é basicamente dividida em duas partes, uma focada na localização do agente desaparecido (que serve principalmente como um tutorial para o uso dos poderes), e a segunda na sua recuperação. Será esta segunda parte para oferecer excelentes momentos, com quebra-cabeças que nunca são muito complicados, mas bem orquestrados, oferecendo soluções interessantes e variando as atividades a serem realizadas de acordo com a situação. Duradouros tão curtos que não queremos entrar em muitos detalhes com o risco de estragar demais a surpresa, mas apenas pense que entre as várias atividades a serem realizadas você se encontrará resolvendo uma espécie de "break 15", todas usando headtracking para realizar nossas ações (combinadas com o uso do pad para ativar os poderes) com controles precisos e imediatos.
Psychonauts In The Rhombus OF Ruin será uma oportunidade de encontrar também um rosto bem conhecido dos Psychonauts, que nos levará ao "mentor" do segundo episódio numerado, dando-nos talvez o destaque deste capítulo, com uma sequência interativa inteiramente em stop motion, que não desfiguraria nem mesmo na frente dos melhores filmes de animação.

Este é o Halloween Psychonauts

Conectando-se a isso, é justo falar sobre a estética de Psychonauts In The Rhombus OF Ruin, que partindo do original oferece-nos alguns modelos discretamente procurados para Raz e os outros agentes, bem como para os "inimigos" desta nova aventura. O aspecto psicodélico das imagens dos anos 60/70 do jogo original ressurge em diferentes elementos de design das configurações, com um bom nível de detalhe, enquanto a inspiração timburtiana retorna avassaladora no que diz respeito ao design dos personagens, novo e velho. Embora o final do primeiro capítulo sugerisse atmosferas de histórias de espionagem, aqui você definitivamente pode respirar um ar "007" completo com um tema de abertura cantado que nos leva com nossas mentes aos filmes de James Bond, certamente ganhando algum mergulho. Nesse sentido, o pairing point and click adventure / PS VR é um casamento de sucesso e na sua simplicidade demonstra até onde ainda é possível ir no campo da realidade virtual.




Dublagem também, bem como áudio 3D ajudar ainda mais a refinar The Rhombus OF Ruin e envolver o jogador, com o retorno à dublagem dos dubladores originais e uma série de músicas, alguns dos quais você canta, em estilo Double Fine completo.
Como o jogo original, a língua espanhola não está presente, elemento que, dada a quantidade de diálogo, pode dificultar a compreensão de algumas passagens. Embora a dificuldade de trocar palavras também seja acessível para quem não fala inglês, existe a possibilidade de ativar legendas em inglês (invasivas, para ser honesto, por meio de balões) que podem ajudar a não perder o que os protagonistas dizem.

 


Para saber mais:
Broken Age: The Complete Adventure Veredicto 8.5 / 10 Hibernação é uma boa opção para esperar pelos psiconautas. 2 Comentário Tim Schafer é uma pessoa realmente má. Isso nos leva de volta algumas horas ao mundo dos psiconautas na companhia de Raz e dos outros agentes especiais e depois nos deixa com um punhado de moscas esperando pelo segundo capítulo, que chegará apenas em 2018. Este curto, mas intenso, A aventura apontar e clicar para PlayStation VR tira o máximo partido do visualizador Sony, para nos oferecer um título multifacetado, cheio de humor (típico de Schafer) e com várias ideias interessantes em termos de jogabilidade. Notamos como este gênero é semelhante ao Double Fine e como eles sabem administrar certas dinâmicas relacionadas aos quebra-cabeças, que apesar de sua simplicidade aparecem bem enquadrados e contextualizados. O encanto das várias personagens sobressai graças a uma boa história que infelizmente acaba na mais bela, quando entra em cena um velho conhecido, a quem será dedicada a última parte do jogo, o que nos permitirá aprofundar alguns aspectos de sua "gênese". Resumindo, um aperitivo muito saboroso que tem o único defeito de ser efémero. Se você é um dos proprietários "sortudos" do PS VR, não podemos deixar de recomendar a compra, talvez aproveitando a disponibilidade do capítulo original sobre Prós e Contras do PS4 ✓ Experiência de RV sólida
✓ O encanto dos psiconautas concentrado em 3 horas
✓ Ficção de qualidade Double Fine-style x Somente em ingles
x Dura muito curto


Adicione um comentário do Psychonauts in the Rhombus of Ruin review
Comentário enviado com sucesso! Vamos analisá-lo nas próximas horas.