Revisão de Dragon Ball Z: coleção Budokai HD

Quem sou
Pau Monfort
@paumonfort
Autor e referências

Onze anos se passaram desde o lançamento do primeiro Dragon Ball Z: Budokai no Playstation 2 (lançado em 2003 também no Nintendo GameCube), um título que teve sucesso de crítica geral e inaugurou a série Budokai de jogos de luta ligados à ópera. Akira Toriyama. Passando para um segundo capítulo bastante polêmico e um terceiro capítulo frequentemente referido como um dos melhores videogames inspirados na franquia Dragon Ball, a série então veio para Playstation Portable em 2006 com dois spin offs: Shin Budokai (cujo modo de história é baseado no filme “O Guerreiro Diabólico do Mundo Inferior”) e Shin Budokai 2, ambientado no futuro alternativo de Trunks. Após essas últimas aparições na geração anterior, porém, a série não encontrou mais espaço hoje, pelo menos até o anúncio deste Dragon Ball Z: coleção Budokai HD, que contém a primeira e a terceira parcelas da série principal Budokai. A Namco Bandai se limitou apenas a seguir o que agora parece uma moda, lançar velhas glórias no mercado, ou fez bem o "dever de casa", lançando no mercado títulos restaurados e adaptados à geração atual?



VERSÃO TESTADA: PlayStation 3

Quando dizemos "não há dois sem três"

Uma coisa deve ser dita imediatamente: chamar Dragon Ball Z: Budokai HD Collection de uma "coleção" real seria errado, como o segundo capítulo não está presente, oficialmente porque isso representa uma espécie de ponto de ruptura dentro da série e, portanto, para a Namco Bandai pareceu mais adequado inserir apenas o primeiro e o terceiro capítulo, que na verdade é a verdadeira "sequência" de Dragon Bola Z: Budokai. Embora Budokai 2 represente para a série um pouco o que Devil May Cry 2 foi para a ssaga homônima, ou a ovelha negra clássica da família, teria sido interessante ver um renascimento especialmente para o grande número de personagens "e se". neste capítulo (como a fusão entre Yamcha e Tenshinhan ou Majin Buu após ter absorvido Freeza ou Cell) ou figurinos especiais introduzidos (entre todos devemos certamente lembrar Creeza, o filho de Freeza retirado do mangá cômico Nekomajin). Em suma, apesar de não estar entre os pontos altos da série, Budokai 2 teria embelezado esta coleção com um título cujo apelo os fãs da saga provavelmente não teriam resistido, mesmo que apenas pela simples curiosidade de ver e experimentar estes inéditos personagens.



Saiyajins são uma raça guerreira mesmo em HD

Dragon Ball Z: Budokai apresenta vários modos de jogo. Além do modo História, é possível jogar contra a CPU ou outro jogador selecionando o item Duelo (também é possível assistir a luta entre dois personagens controlados pela CPU para aprender a jogar observando), ou enfrente o clássico torneio de artes marciais na voz do World Clash, bem como os modos de treinamento e habilidade, que permitem adquirir e personalizar os movimentos dos personagens. O modo História cobre as três primeiras sagas de Dragon Ball Z, ou seja, a dos Saiyans, a ambientada em Namekusei e a saga dos Androids e células. Cada uma dessas sagas é dividida em capítulos, consistindo em uma sequência inicial animada, um jogo sessão (geralmente uma luta, mas às vezes também mini-jogos, como carregar a energia do Canhão de Alma de Piccolo ou segurar Raditz para que ele possa ser atingido) e uma cena final. Os vídeos são geralmente retirados do anime original e são fiéis a este na representação, embora sofram algumas incertezas (e mesmo alguns erros) na adaptação das legendas, problemas presentes desde a versão original do título. Depois de concluir o modo História pela primeira vez, é possível reproduzir capítulos adicionais que, se concluídos, desbloquearão filmes what if ou finais alternativos para as sagas correspondentes.
O pacote de videogame embalado por Dragon Ball Z: Budokai 3 tem alguns pontos de contato com o do outro título, mas tem muitas diferenças. O modo de duelo e treinamento permanece substancialmente inalterado, a possibilidade de enfrentar o torneio mundial no modo multijogador local com sete outros jogadores é adicionada e a abordagem do modo de história é fortemente modificada. Em primeiro lugar, aqui renomeado como "Universo do Dragão", não está mais estruturado em sagas e capítulos, mas é composto de diferentes campanhas, cada uma associada a um personagem da lista (com exceção dos vilões e alguns outros personagens secundários, por exemplo Goku quando criança, retirado da primeira série de Dragon Ball), que cobre praticamente todo o trabalho e também toca a primeira série e Dragon Ball GT. Ao jogar uma campanha pela primeira vez, será possível enfrentar a clássica história de Dragon Ball do ponto de vista do personagem principal, desbloquear novos personagens, movimentos, objetos e transformações para ele e aumentar seu nível e depois "gastar "a experiência aponta para aumentar algumas características deste, como o ataque ou a capacidade de manejar a força espiritual, dando algumas pinceladas no estilo RPG ao jogo. Jogar a campanha novamente introduz algumas variações de enredo e de hipóteses, que podem ter efeitos diferentes: algumas simplesmente tornam a história menos repetitiva, enquanto outras permitem que você acesse novas habilidades e personagens. Tudo é abordado com uma abordagem de mundo quase aberto, onde o protagonista escolhido sobrevoa o mapa (que reproduz a Terra de Dragon Ball também nos cenários e edifícios, como a Casa Kame ou a Cidade do Oeste, ou em alguns momentos da campanha representa o planeta Namek) visitando os locais que permitem encontrar objetos, coletando as esferas do dragão (que permitem desbloquear itens colecionáveis ​​e objetos especiais) ou para continuar com a história. O preço a pagar por toda esta variedade é a ausência total de sequências animadas, consequentemente a história é contada por sequências estáticas nas quais os personagens falam através de nuvens de texto. Outra adição é o modo "Arena do Dragão", no qual os personagens podem acumular pontos de experiência lutando com oponentes de nível superior controlados pela CPU ou contra personagens de outras pessoas, digitados por meio de senhas apropriadas.



O tempo está se esgotando, mas nunca tão rápido quanto Freeza

Dragon Ball Z: Budokai sente todo o peso de seus onze anos, tanto do ponto de vista da jogabilidade como do ponto de vista gráfico. O jogo envelheceu muito mal: os menus parecem vazios e muito essenciais, os ambientes do jogo geralmente são vazios e as animações dos personagens parecem amadeiradas e às vezes quase não naturais. O trabalho de remasterização, porém, acentua ainda mais esses defeitos, já que Dimps praticamente se limitou a aumentar a resolução do jogo, ainda utilizando os antigos polígonos. O resultado é, em última instância, beirando o grotesco, com Goku e companhia parecendo bonecos construídos em pongo. Outro ponto sensível são os menus e os filmes de interlúdio, que além de sofrerem desse "efeito plasticina", não foram convertidos para 16: 9, e por isso são exibidos em formato 4: 3 em que as faixas laterais são cobertas por "cortinas " Mas deixando de lado as questões puramente estéticas (onde como mencionei a "cara" do jogo aparece enrugada por muitas rugas) também o sistema de batalha parece bastante antiquado, especialmente quando comparado com o de outros jogos de luta em reuniões ou, trivialmente, nos capítulos subsequentes da série. Enquanto joga, você pode vislumbrar o esqueleto básico que distingue a série Budokai, mas faltam várias costelas, como a capacidade de lançar ataques de energia e finalizar movimentos à vontade (antes de executá-los é de fato necessário marcar o combo de chutes e socos) ou para executar esquivas de pé no lugar dos defesas comuns, e também existe a possibilidade de evitar os ataques dos inimigos "teletransportando-se" para trás deles. A todas essas deserções deve então obviamente ser adicionado o que foi dito acima com relação às animações dos personagens, que acentuam ainda mais a sensação de gesso geral que dá ao jogo, e uma lista limitada às três primeiras sagas do anime, excluindo praticamente todos os personagens da saga de Majin Buu (exceto Mr. Satan e Great Saiyaman, que neste sentido são infiltrados). Por outro lado, quase todos os personagens presentes têm várias transformações, algumas das quais não apareceram mais em títulos subsequentes da série Budokai (como a forma perfeita de Cell com músculos inchados ou os vários níveis de Kaiohken para Goku). Resumindo, isso não justifica as deficiências do título ou o torna menos datado, mas certamente pode ser um incentivo para o jogador experimentar o jogo de qualquer maneira, sabendo bem o que ele vai encontrar. Em última análise, Dimps, no entanto, limitou-se a um mero restyling gráfico, sem, no entanto, fazer nada memorável, não adicionando novos extras nem ao nível de funcionalidade (e, a este respeito, um multiplayer online talvez tivesse encorajado mais a jogar o título) ou no nível de conteúdo, propondo de fato a mesma oferta de onze anos atrás, incluindo também os defeitos relacionados à localização ocidental das legendas da cutscene.



Ok planeta, me dê essa energia estúpida

Dragon Ball Z: Budokai 3, por outro lado, praticamente não envelheceu apesar de já terem se passado nove anos desde a data de lançamento: mesmo depois de todo esse tempo continua sendo uma das melhores experiências de videogame com a obra de Akira Toriyama, e é sem dúvida o melhor capítulo da série (não é por acaso que o dois Shin Budokai para Playstation Portable referem-se praticamente a isso em sua totalidade). Na transição para a alta definição a qualidade gráfica do jogo, sem atingir níveis excelentes ou atingir os resultados de Dragon Ball Z: Burst Limit (o único outro jogo de luta Dragon Ball com configuração semelhante a esta geração, também desenvolvido pela Dimps) está no auge da geração atual, também graças à escolha original de fazer tudo em cel shading em vez de usar modelos poligonais. Deste ponto de vista, a única desvantagem continua a ser o mau tratamento recebido pelos menus do jogo, reapresentados como no caso de Dragon Ball Z: Budokai 1 com resolução 4: 3 e faixas pretas mascaradas por "cortinas digitais". Indo para o "coração pulsante" da experiência, que é a jogabilidade, isso é significativamente melhorado em comparação com o outro capítulo da coleção, introduzindo várias melhorias (esquiva, teletransporte, a capacidade de realizar movimentos especiais como o Kamehameha a qualquer momento da luta ...) e acrescentando outros aspectos retirados de jogos de RPG, como o uso de objetos (como o Senzu, os feijões mágicos que restauram a aura e a saúde) ou habilidades passivas, que podem ter os efeitos mais díspares, como aumentar o consumo de aura para ambos os jogadores ou aumentar as estatísticas básicas do personagem. Embora tudo isso não seja um aspecto fundamental do jogo, adiciona mais diversão à experiência, especialmente porque se encaixa quase perfeitamente com as diferenças que existem entre os vários personagens em termos de aura disponível no início do encontro e no moveset: o jogador mais "Hardcore" é chamado não só para encontrar o personagem com o qual ele tem maior compreensão e para aprimorá-lo de acordo com seu estilo de jogo, mas também deve levar em consideração as cápsulas (objetos e habilidades passivas) disponíveis, e misturar Juntamente com as técnicas do personagem, também são feitas como cápsulas a serem equipadas, levando em consideração os slots de inventário que podem ser ocupados com elas. No final da feira, também aqui Dimps limitou-se a propor uma transposição com resolução aumentada do título antigo, nada acrescentando em termos de conteúdo (aqui a ausência de multijogador online parece ainda mais grave, combinada com a arena do dragão poderia ter dado muita satisfação aos fãs), mas ao contrário do caso de Dragon Ball Z: Budokai consegue evitar a rejeição clara graças ao ótimo trabalho realizado há nove anos.

Veredicto 6/10 Ok planeta, me dê essa energia estúpida Comentário Dragon Ball Z: Budokai HD Collection é, infelizmente, um simples revival dos dois títulos originais com a única diferença de uma resolução maior. A adaptação para a geração atual se limita a algumas melhorias gráficas (que não mexem em menus e cutscenes e em geral não convence em Dragon Ball Z: Budokai e "vive da renda" em Budokai 3) e a introdução de troféus e conquistas, sem nem mesmo inserir os particularmente exigentes. A compra é geralmente recomendada apenas aos amantes dos dois títulos propostos e estendidos, com a devida cautela, aos amantes de Dragon Ball, sabendo bem o que esperar do trabalho realizado por Dimps e Namco Bandai. Prós e contras Budokai 3 quase não envelheceu
O modo "universo do dragão" é vasto e de longa duração x O primeiro Budokai mostra todo o peso de seus 11 anos
x Na falta de Budokai 2, é impróprio falar de coleção
x Trabalho de remasterização não particularmente cuidado
x A falta de multijogador online pesa muito


Adicione um comentário do Revisão de Dragon Ball Z: coleção Budokai HD
Comentário enviado com sucesso! Vamos analisá-lo nas próximas horas.